A NASA quer saber o custo da energia solar no espaço

20 outubro de 2017

Foto digital. Terra com um grande satélite coberto de painéis fotovoltaicos, complementando o texto sobre o custo da energia solar no espaço

As estações espaciais de energia solar ou satélites podem um dia irradiar energia para a Terra ou para operações espaciais remotas de mineração. Foto: NASA

Aproveitar a energia do sol com estações espaciais orbitais e irradiar a energia para a Terra tem sido um sonho de ficção científica desde que Isaac Asimov escreveu um conto em 1941 chamado “Reason”. Mas a idéia nunca saiu do campo das ideias apesar das décadas de interesse intermitente e pesquisa para os Estados Unidos e outros países. A NASA espera manter a concepção financiando estudos de um ano que irão pesquisar quanto custaria transformar uma estação espacial solar viável em realidade.

O novo estudo da energia solar espacial feito pela Colorado School of Mines é um dos cinco projetos de pesquisa escolhidos pela NASA para examinar novas oportunidades de desenvolvimento comercial no espaço. Neste caso, a pesquisa considerará as legislações governamentais e os investimentos privados necessários para estabelecer estações espaciais de energia solar que possam transmitir energia às estações coletoras terrestres. Mas também examinará como a energia solar espacial poderia suportar operações de mineração robótica na lua ou asteróides – um passo para habilitar a exploração espacial humana a longo prazo e a possível colonização do sistema solar além da Terra.

“É uma coisa modelar isso e dizer que é isso que pensamos que será o custo”, disse Ian Lange, diretor do Programa de Economia de Mineração e Energia da Colorado School of Mines, em um comunicado de imprensa. “É outra coisa dizer como as pessoas vão comprar isso, como vamos garantir que os custos não estejam fora de controle, como vamos comercializar isso ou vender isso para algum tipo de banco ou fundo de capital de risco”.

Um enorme desafio para obter energia solar espacial fora do solo é literalmente sobre o custo do lançamento de todos esses componentes no espaço. Lançar algo no espaço ainda custa milhares de dólares por quilo nos foguetes de hoje. Mas isso pode mudar com a ascensão de companhias comerciais de vôos espaciais, como SpaceX da Elon Musk e Blue Origin, de Jeff Bezos, que se concentram no desenvolvimento de foguetes reutilizáveis capazes de lançar cargas úteis por muito menos.

“É muito dinheiro colocar uma dessas coisas no espaço”, disse Lange.

“Você precisa de mais do que um modelo, algo que diga que a energia nuclear custa 15 centavos por kilowatt-hora e isso aqui é 14”.

 

Teremos muitas aplicações potenciais, tanto no espaço como na Terra, se os custos de lançamento e outras despesas relacionadas com energia solar espacial eventualmente caírem, disse Lange. A NASA e os interesses comerciais em operações remotas de mineração de asteróides podem ser um esforço que se beneficiaria da energia solar espacial. Outro cliente potencial poderia ser o exército, dada a necessidade atual dos militares de sustentar as linhas logísticas de abastecimento de combustível para as tropas implantadas em ambas as zonas de guerra ou em cenários de alívio de desastres.

Fonte: Discover Magazine

Leia também:

A História da Energia Solar

Energia Solar e o Espaço

Imagem com tom azul translúcido que mostra uma estrutura parecida com uma janela de quadro vidros, onde cada quadrado é uma célula solar de tom próximo do marrom/vermelho. Capa do post sobre o futuro dos paineis fotovoltaicos.

Paineis Fotovoltaicos: o que vem por aí?

foto circular de um sistema fotovoltaico instalado no chão, provavelmente uma usina, pela quantidade de paineis. Circundando essa foto, três flechas laranjas semelhantes do símbolo de reciclagem. O fundo da ilustração é cinza claro. Na extremidade direita da ilustração, o texto Qual é o impacto da energia solar no meio ambiente? em roxo escuro está sobreposto a um fundo laranja.

Qual é o impacto da energia solar fotovoltaica no meio ambiente?