Gasolina sem petróleo: primeiros 200 l feitos de CO2 e energia solar

14 agosto de 2017

A planta piloto produz a primeira gasolina sem petróleo, fornecendo um combustível sintético da energia solar e o dióxido de carbono do ar.

Foto de um container branco instalado no solo de um lugar coberto de neve, com árvores ao fundo totalmente secas e cobertas de neve. O container é o laboratório modular onde se produz a chamada gasolina sem petróleo.

A planta piloto compacta utilizada no projeto SOLETAIR é projetada para produção descentralizada, se encaixa em um recipiente de transporte e pode ser ampliada de forma modular.

Gasolina sem petróleo?

Um projeto tocado por engenheiros e pesquisadores da Alemanha e da Finlândia produziu os primeiros 200 litros de combustível sintético extraído do dióxido de carbono (CO2) atmosférico e usando energia solar.

O combustível limpo foi produzido em uma planta-piloto móvel, que pode ser usada de forma descentralizada para produzir gasolina, diesel ou querosene. Para facilitar sua mobilidade, a planta química supercompacta foi acondicionada em um contêiner.

“O sucesso da transição energética exige inovações geradas por pesquisas se estendendo dos fundamentos até as aplicações,” disse o professor Thomas Hirth, do Instituto de Tecnologia Karlsruhe. “O sucesso do [projeto] Soletair reflete a importância das redes de pesquisa internacionais que lidam com os desafios globais e desenvolvem soluções aplicáveis.”

 

Do CO2 à gasolina

A usina de combustível é formada por três componentes principais.

A unidade de “captura direta do ar” captura o dióxido de carbono do ar em volta. A seguir, uma unidade de eletrólise usa a energia solar para produzir hidrogênio. No terceiro componente, o dióxido de carbono e o hidrogênio são primeiro convertidos em gás de síntese reativo a alta temperatura e depois em combustíveis líquidos em um reator químico microestruturado.

Gasolina sem petróleo: Primeiros 200 l feitos de CO2 e energia solar

Este é o reator microestruturado responsável pela última etapa do processo. [Imagem: INERATEC/KIT]

A equipe afirma que esta é a primeira vez que o processo completo, da energia fotovoltaica e da captura de dióxido de carbono do ar, até a síntese de combustível líquido, mostrou sua viabilidade técnica.

A planta-piloto tem uma capacidade de produção de 80 litros de gasolina por dia. Na primeira campanha, agora concluída, foram produzidos cerca de 200 litros de combustível em várias fases, para estudar o processo de síntese ideal, as possibilidades de reaproveitar o calor produzido e as propriedades do produto final.

A planta compacta foi projetada para fabricação descentralizada, além de poder se encaixar em um contêiner para facilidade de transporte. Com isto, uma usina completa poderá ser ampliada de forma modular. A equipe já está constituindo uma empresa para comercializar esses módulos.

Fonte: Inovação Tecnológica e Science Daily

Leia também:

Retângulo com fundo laranja. Na porção mais esquerda, está uma foto de uma casa de madeira com um telhado esverdeado que conta com um sistema fotovoltaico. Na foto, é possível ver a porta da garagem aberta e um carro com uma metade para fora, na área externa. Ele está conectado a um cabo plug-in, indicando que é um carro elétrico. Na porção direita da foto, um texto em roxo escuro diz Conheça um novo jeito de consumir eletricidade.

Conheça um novo jeito de consumir eletricidade

Capa laranja do post "Harvard HouseZero - A casa do futuro"

Harvard HouseZero – A casa do futuro

Retângulo dividido em duas partes iguais. Do lado esquerdo, a foto de carvão, indicando o status quo e os combustíveis fósseis. Do lado direito, paineis fotovoltaicos indicam a aposta em energia solar e o futuro mais sustentável.

A aposta da Alemanha para a transição energética