Foto de um sobrado onde todas as paredes são de vidro, com uma aparência de bondinho. O teto é composto por painéis solares fotovoltaicos.

Energia solar sai caro na casa toda, mas vale para esquentar chuveiro

18 março de 2013

Apesar da diminuição de preços, custo da energia solar compensa apenas em certos casos no Brasil.

Fonte: UOL Notícias

Juliana Passos
Do UOL, em São Paulo

O custo da energia solar no Brasil ainda é um grande impeditivo da popularização desta fonte de energia limpa. O desconto de cerca de 20% na conta de energia elétrica proposto pela presidente Dilma Rousseff no começo deste ano aumentou o tempo de retorno do investimento.

Para o consumo médio de residências brasileiras de 250 kWh de energia por mês são necessários oito painéis para abastecer completamente a casa e um custo de instalação médio de 15 a 20 mil reais para a aquisição de painéis solares de silício cristalino e filmes finos, os mais comuns no mercado.  A estimativa de retorno do investimento era de até 10 anos, após a redução do preço da energia elétrica em fevereiro deste ano, o retorno financeiro pode demorar um pouco mais, e chegar a 15 anos.

Uma sugestão para quem quer economizar é a adoção de painéis solares que se limitam a transformar a energia do sol em calor para esquentar a água do chuveiro. Embora não gerem energia elétrica, esses aquecedores solares têm retorno de investimento em três anos, e diminuem o uso de um dos maiores responsáveis pelo consumo de energia elétrica em uma casa, responsável por  20 a 30% da energia de uma casa.

E vale a pena?

 

Os cálculos são feitos pelo engenheiro eletricista e mestre em planejamento de sistemas energéticos pela Universidade de Campinas (Unicamp), Bruno Lima. Em outubro do ano passado, Lima apresentou sua dissertação de mestrado, abordando um modelo para Edifícios de Energia Zero (EEZ), responsáveis por gerar toda a energia que consomem, comuns e incentivados na Europa e Estado Unidos. No Brasil, de acordo com o pesquisador, pelo fato do custo da energia para estabelecimentos comerciais ser 50% menor do que para residenciais, a vantagem de adotar o sistema estaria na adoção do marketing verde para promover a empresa.

Foto de um sobrado onde todas as paredes são de vidro, com uma aparência de bondinho. O teto é composto por painéis solares fotovoltaicos.

Enquanto a redução de preços dos painéis e a criação de linhas de financiamento não acontecem, uma resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) que entrou em vigor no final do ano passado pode estimular a aquisição dos painéis. A resolução 482/2012 possibilita o abatimento da conta de energia pela carga excedente gerada, pode funcionar como estímulo para a adoção de uma fonte de energia limpa.

Com a nova regra, o consumidor interessado em investir em painéis solares deverá entregar seu projeto à concessionária responsável pela distribuição de energia na região, e aguardar cerca de 90 dias para que sua mini geração seja autorizada. Depois disso, será possível fazer a ligação na rede elétrica. Também serão necessários a compra de inversores de frequência e um novo relógio, que passe a medir a entrada e saída de energia elétrica.

O panorama no Brasil

 

De acordo com a pesquisadora do Laboratório de Nanotecnologia e Energia Solar (LNES) da Unicamp, Ana Flávia Nogueira, os preços dos painéis reduzem cerca de 10% ao ano. Ela explica que um dos fatores para o alto custo das células fotovoltaicas no Brasil é a inexistência da produção de semicondutores no país, e o excesso de importações que são feitas para sua montagem.

Se a falta de financiamento é um dos principais motivos apontados como entrave para a aquisição de painéis, o avanço das tecnologias traz a promessa de redução dos custos. Segundo o pesquisador do Laboratório de Planejamento Energético (Labplan) da Universidade Federal de Santa Catarina, Ricardo Rüther, existe cerca de mil tecnologias em desenvolvimento na área. Rüther acredita que é necessária uma expansão do uso da energia para o barateamento dos custos. No final do mês, ele lança como projeto do instituto que coordena, o Instituto Ideal, um simulador on-line gratuito, para que interessados possam identificar se a região pesquisada tem uma boa incidência solar e qual será o custo médio de instalação do sistema.

 

Novas tecnologias solares

Uma das saídas para a redução de custos é o uso de células que utilizam óxido do titânio como semicondutor, incluído entre as tecnologias de terceira geração, sendo esta a linha de pesquisa de Ana Flávia Nogueira desde 1996, dentro do LNES. Segundo Ana Flávia, o principal desafio da pesquisa é transformar a substância condutora de estado líquido para sólido, e aumentar sua eficiência. Outra linha mais recente do laboratório é a pesquisa com células orgânicas, que tem como base o carbono, é uma das promessas para redução de custos dos painéis em todo o mundo. O depósito da patente da tecnologia desenvolvida na Unicamp foi feito no início deste ano, e a pesquisadora acredita que em dois anos será possível produzir células fotovoltaicas a partir deste projeto em larga escala.

.

 Há cinco anos, a eficiência de células utilizando óxido de titânio alcançava 7%, hoje chega a 11%, devido ao avanço do uso de novos corantes responsáveis pela captação de luz e uso de novos materiais. O alcance é inferior aos que utilizam semicondutores inorgânicos, que atingem de 12 a 19%. Atualmente, as tecnologias de segunda geração, os filmes finos, que utilizam telureto de cádmio (CDTE), têm alcançado o maior crescimento e eficiência energética. No entanto, o cádmio é conhecido por sua alta toxicidade.

O engenheiro químico Agnaldo Gonçalves é menos otimista com relação à redução de preços de células orgânicas e com o uso de óxido de titânio. Na visão de Gonçalves, apesar do grande potencial para se tornarem mais baratas, as células de óxido de titânio ainda são uma novidade, e encontrar fornecedores para os componentes necessários é um desafio. Somente com a produção em larga escala eles conseguiriam alcançar preços mais competitivos, ainda que com uma potência e vida útil inferior aos painéis de silício e outros materiais inorgânicos como o cobre.

A Tezca

Gonçalves é um dos sócios de uma empresa incubada chamada Tezca, que atualmente desenvolve pesquisas para lançar painéis solares flexíveis de baixa intensidade para abastecer tablets e celulares. A ideia da criação da empresa surgiu após as pesquisas no LNES, e atualmente as lâminas estão em fase de protótipo. A substituição do vidro como material condutor de energia, que precisa ser importado, por metais – como aço inox – encontrados no Brasil, reduziu cerca de 50% do custo de fabricação. “Essa foi a grande inovação da nossa empresa, porque permitiu baixarmos muito o custo, já não existe mais a necessidade de importar o material.”. Por enquanto, o mesmo não pode ser feito em painéis solares para residências, que exigem uma estrutura mais rígida.

Agnaldo Gonçalves prevê o lançamento do seu produto em 2014, mesmo ano em que diversas empresas do mundo devem lançar projetos parecidos. Os principais desafios agora são conseguir uma produção em escala para baixar o custo. Um dos investimentos da empresa será a compra de uma máquina para fabricação das placas por rolo, assim como são produzidos os jornais.